sexta-feira, setembro 22, 2006

Eu, patroa?



Estou preocupada, ou melhor, apavorada. O Tribunal Superior Eleitoral me alerta, dizendo que sou um dos quase 126 milhões de patrões do país e já vi que não sei lidar com isso.

Como escolher os "funcionários", "empregados", "colaboradores"? Sim, sou eu quem trabalha e ajuda a pagar os seus salários.

Sim, sou eu quem decide os nomes, os números. Eu sei que deve arcar com as conseqüências... mas, me diga, isso ajuda a escolher?

Estarei, logo mais, diante da decisão final, mas até lá, eu não estarei funcionando à base das expectativas, mas do poder da escolha.

E pensar que durante tanto tempo achei que o poder seria algo tão forte, tão vital!

No entanto, agora, diante de tantos currículos que me confundem mais ainda...

Como saber que estou escolhendo as pessoas certas para representar-me? ou melhor: fazer funcionar a minha "empresa"?

Não quero ter de escolher entre o "incerto e o duvidoso". As dúvidas acumulam-se.

A urna não é uma máquina de apostas.

De resto, só uma certeza: eu vou votar!
Postar um comentário

Obrigada pela visita

Espero seu retorno