quarta-feira, novembro 14, 2007

Ispaiando brasa


Nunca gostei de carnaval. Claro, já bati as pernas em salões, escorreguei por conta do assoalho espelhado e do salto alto. Sim, porque não costumo sair do salto e não largo o batom. Mas, agora volto ao passado com a nota sobre o Spaia Brasa, que me chamava atenção por conta do sugestivo nome.




Quando menina, saía segura pela mão da minha tia Almerinda, para o corso. Aquela multidão mascarada, bebâdos vestidos de mulher, frevos descadenciados, e muita goma no rosto, substituída hoje por fécula de milho. Não entendia como até hoje, o desperdício do alimento.




Em cima do muro literalmente, ficava ali sob a proteção de árvores que protegiam os transeuntes da Avenida Duque de Caxias. Aquele barulho cadenciado, corridas de pessoas com tubos de latas contendo algo que a polícia proíbia, chamavam-me atenção. Tia, o que está havendo? é gente que não tem o que fazer e dá trabalho à polícia, respondia a minha carinhosa tia.




Não podia sair às ruas, ficar na janela observando o movimento das ruas porque tinha sempre alguém que ameaçava a minha segurança. Dias ruins aqueles, por isso amava as quartas-feiras de cinzas.
Postar um comentário

Obrigada pela visita

Espero seu retorno