segunda-feira, março 10, 2008

Flagrantes


Semana passada vi um flagrante que mereceu três dias para apaziguar o pensar, libertando-o da reflexão superficial. Um trabalhador marginal depois de vencido o fluido vital, foi transportado no carrinho, que levava o ganha - pão. Catava lixo, os resíduos largados, dispensados que nem ele. Ficou teso, corpo frio como a nossa mente em relação aos outros tantos miseráveis desta Terra.

Numa súplica aos céus, o corpo que abrigou aquele espírito missionário - não se sabe qual, mas Deus tem uma meta para cada um de nós - virou desfile sem muita platéia. Se não fosse o flash rápido de um fotógrafo teria passado em branco.

Ao ver o flagrante colorido mostrando a palidez da morte fico cismando o pensar para os que treinam em academias, firmando os músculos numa auto-afirmação de ser diferente. A mudança interna, porque dói muitas vezes, é deixada para trás. A cena chocou porque se dá uma importância fundamental ao destino do corpo inválido de força viva. Pergunto-me por que não choca mais ainda a vida clandestina de sorte que os catadores levam.

Não obstante, o otimismo não me escapa na esperança de ser melhor e ter melhores semelhantes. São tantos defuntos entre nós como tantas mais ainda as boas idéias, que fenecem por falta de vivacidade contínua.

Postar um comentário

Obrigada pela visita

Espero seu retorno