quinta-feira, setembro 18, 2008

Fingir ou mentir



Estava internatando em busca de poesias sertanejas para o programa Gonzagando. E nesse buscar perco-me no tempo para curtir de bom grado os escritos de pessoas, que vivem no mundo das letras, conquistando espaços no íntimo do ser, nem sempre pensando nos momentos deliciosos dos donos dos olhos entretidos, felizes.




Ensaiei leituras. Ainda bem que o autor não me ouvia. Acredito que me dei bem ao ler Guimarães Rosa, versos curtos e infinitamente belos. Mas foi em Fernando Pessoa que fechei questão. Dizem que finjo ou minto Tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto Com a imaginação. Não uso o coração.


Agora entendo a sintonia com o poeta. Ontem, cismei o pensar em torno da lealdade do meu sentir ao escrever neste espaço. Em muitos momentos, nem sei o que vai rolar no texto. Abro a caixa e começo. É a mente ditando ou obedecendo um ditado.



Acredito no poeta. E para mim, quem escreve poesia, se arrisca no verso verbal, escreve qualquer texto.

Postar um comentário

Obrigada pela visita

Espero seu retorno