quarta-feira, março 18, 2009

Chuva de lixo


Sou natural de uma terra de pessoas valentes, dispostas e crentes em mudança. Contudo, ainda não sabemos lidar com o clima. E isso, pelo que se sente, é comum na Terra. Somos do semi-árido. As chuvas ocasionais nos proporcionam alegria e transtornos.


Esse discurso cansa. Assim como cansados estão os que moram em lugares considerados de risco. As famosas áreas de riscos. Só que as águas de março vão muito mais além. Ontem, a chuva maior do ano, que banhou a Cidade com um gosto incrível, provocou desassossego. Tantos "esses" nessa palavra não causam em nós ainda despertar para o tamanho necessário de cuidados.


As galerias por onde deveriam escoar a água em excesso - até parece meio louco afirmar que no Ceará chove em excesso - estão com o caminho obstruído por lixo. Veja só. Então o problema nunca é provocado pelas bem vindas chuvas, mas por nós que não sabemos também lidar com os restos, com as sobras...


Nem preciso sair pela Cidade para constatar o quanto somos ingratos com relação a nossa casa. No quarteirão da rua onde moro, as ruas são tomadas de lixo e não é porque não exista coleta, ela está no calendário, cumprindo o seu cronograma. No entanto, não dá para vencer a insana deslealdade de jogar no mato - que hoje é a calçada, a rua - as sobras de casa.


Enquanto isso, a natureza continua cumprindo a sua lei natural.
Postar um comentário

Obrigada pela visita

Espero seu retorno