quarta-feira, abril 11, 2012

Galo na cabeça

Fortaleza beira os 286 anos de fundação e eu todos os dias, como se criança ainda fosse, acordo ouvindo os galos de quintais. Ficaria infantilmente feliz se os bichinhos - creio que sejam três - não começassem a cantar às quatro horas da madrugada. Levanto-me às cinco horas. A natureza - graças a Deus -  não muda porque o homem decide. Já pensou se assim fosse?

Voltando aos galos, enquanto me remexo e busco auxílio nos travesseiros, já foram apedrejados, já viraram ensopados. Fico cismando o pensar, diante de um bom prato de pirão de galo cozido na panela de pressão. Chego a sentir o cheiro e o barulho do apito da panela, anunciando que em breve a fome será saciada.

Imune ao meu desejo raivoso, eles continuam firmes e pelo canto, acredito que um deles é bem pequeno. Mas, quem disse que isso importa? O galo segue o instinto de bravador das madrugadas. O apito do trem do tempo, cujo ceu se abre para a luz, informando que logo mais, a cidade estará completamente acordada.

Abro a janela e peço aos ceus por mais um dia de muito trabalho regado da boa luz divina. O coro entoado pelos emplumados continua, agora fortalecidos pelos passarinhos. As árvores dos quintais vizinhos alimentam os pássaros, que agradecem suavemente.

Quanto a mim, já pronta e com bolsa na mão, fecho a janela, despeço-me do quintal verde, feliz por ser dessa cidade, que cresceu exorbitantemente, mas que tem moradores (alguma boa dona de casa), que alimentam os galos que me acordarão amanhã.
Postar um comentário

Obrigada pela visita

Espero seu retorno