sexta-feira, março 23, 2012

Iracema

Eu poderia começar este texto de diversas formas. Mas, optei por ainda bem. Ainda bem que o maior patrimônio do homem é ele mesmo. O somatório das experiências bem ou mal sucedidas; as emoções sobrecarregadas ou as mais leves; o infortúnio (nada mais desafiante e enriquecedor) e o prazer. Sim, o prazer! O que nos leva a crer a vitória conquistada. 

Estava ainda sob o êxtase da vivência feliz do encontro de amigos. Foi assim que senti -e sou fiel as minhas impressões-, do lançamento do livro da minha grande mestra Adísia Sá. O livro Em Busca de Iracema ainda não foi devorado pelos olhos como merece a obra(uma virose cruel roubou-me esse direito que logo mais terei) assim que puder usufruir esse afã. 

Não mais que de repente na primeira página do Jornal O Povo eis o que vejo: a estátua de Iracema, a nossa virgem mais uma vez vilependiada: deceparam-lhe as mãos e lhe arrancaram o arco. Uma personagem cearense agredida na sua pureza criativa. E cismo o pensar sobre qual seria o prazer da destruição senão o desejo de quebrar a si mesmo. 

Fixando a foto de Adísia Sá no painel da rádio FM Assembleia, com o seu par de olhos a perscrutarem a minha exaltação, suplico uma resposta e  quase posso ouvir suas afirmativas – sim, Adísia não fala apenas, ela sempre afirma: Abreu, não espere que os outros faça o que você acredita. Faça você mesma.

Obrigada pela visita

Espero seu retorno