quarta-feira, janeiro 22, 2014


Estou numa fase de namoro próprio.

Reencontrando-me nas vivências avulsas e dormentes da minha existência.

No conjunto de emoções habito um vulcão. Quando adormecido, a paz reina ao meu redor.

As amizades perenes e efêmeras povoam-me.

Quando transbordo, extravasando a verdadeira essência pontual, queimo, chaga aberta ao céu: machuco e sou machucada.

Uma vez morna, terra devastada, superfície dura, a cinza apaga o colorido dos dias. Volto a adormecer, e tudo outra vez, floresce na terra fértil da imaginação.

Obrigada pela visita

Espero seu retorno