terça-feira, junho 30, 2015

Sigo aprendendo

Aprendi que somos responsáveis pelo o que fazemos a nós mesmos, o que permitimos que os outros façam e sobre o impacto que causamos nas pessoas(na maioria das vezes bem desconhecido pra mim). Não sei se deixo as pessoas ou se elas me deixam. Ou se existe um acordo secreto para que isso venha a ocorrer. Se é tão secreto, como prevê-lo?

Há situações na minha vida que se repetem, sem cessar, e eu não caio em mim para descobrir as razões. Na superfície do pensamento não faço a menor ideia. Fico deixando-me levar, como se boiasse nas águas buliçosas da vida. E nessa maré vou ao encontro de rochas - chega a doer em muitos momentos - e noutras estaciono esquecida em alguma praia deserta.

Noutros momentos, eu faço do cabresto o meu guia, a vara cega da vista turva dos meus pesadelos. Curto, sim, eu curto! a solidão de momentos, reúno as mil faces contidas no ego, que ressurgem com muito barulho. Ouça-as sem interromper. É neste momento, que se revelam ou eu me revelo, não sei. Mais uma vez, cansada de tanto diálogos infindos, ofereço o rosto ao sol, os cabelos ao vento e, numa tentativa sem muito esforço, volto à realidade personalizada, da qual nem sei se controlo.

Nas divagações sempre deixo mais interrogações do que respostas. Talvez sejam os questionamentos que me mantém sóbria, lúcida.

Eu não sei qual paraíso ou inferno que te abriga.

quinta-feira, fevereiro 26, 2015

Desbotar-se

As cores da vida necessariamente não precisam desbotar. Aliás, o desbotar é uma oportunidade para pincelar sonhos. O colorido é a força de querer realizá-los. Pensando assim, vejo casas da minha cidade com suas paredes marcadas pelo calor do sol e pelas poucas chuvas. Dá uma vontade enorme de cravar a unha na cratera formada pela tintura endurecida. Arrancar como se fosse o desejo do pintor ao derramar braçadas a custo de muito suor.

Paredes não são apenas paredes, são asilos, onde furtivamente expressamos o nosso desejo de evitar contatos, de se expor.A tinta é o véu mais opaco que serve como proteção. Assim, fugir do olhar é o desleixo do fluido colorido.

No meu desbotar adquiro novas cores, sem pinceis, sem trinchas...

Obrigada pela visita

Espero seu retorno