domingo, julho 15, 2007

Cidade minha


A cidade está explodindo de necessidades. Cresceu num pool de prédios, condomínios fechados, shoppings, sem dar ouvidos a impacto ambiental; plano diretor e, muito menos, aos moradores, crias do Estado.


A ordem é crescer. O progresso acima de tudo. E a loira casada com o sol, sem ser consultada foi invadida pelo concreto. O tímido crescimento da minha infância resumia-se ao Centro. Tudo se concentrava lá. Pois bem, perdi a identidade.


Era uma alegria atravessar a avenida Duque de Caxias para brincar na Cidade da Criança. Ficava extasiada com a estátua ostentando a liberdade, grilhões partidos, olhar para o céu numa promessa de vitória. E aquele lago formidável, espelhando a natureza contagiante, protegida.

Mas, morria de medo da Praça dos Leões.


Há certos medos que crescem conosco. Continuo com medo daquele logradouro. Sempre que passo por lá experimento a mesma sensação. A cor sempre cinza, nunca vi colorido nenhum por ali.


A praça, cujo nome verdadeiro é General Tibúrcio , não acompanhou o empolgante progresso da Cidade. É flagrante o desinteresse. Outros locais que me metiam medo, a Praça José de Alencar e a Rua 24 de Maio, continuam despertando a menina apavorada, que dorme no meu reduto de lembranças.


Mas, agora depois de crescida, trabalho para não morrer de medo quando vejo um ciclista, de atender o celular, o telefone fixo, de pegar um ônibus, de atravessar a rua. Não sei quando estão me paquerando ou me vigiando.


Não vou procurar um analista. Prefiro ocupar este espaço para sacudir quem ainda quer vida melhor.
Postar um comentário

Obrigada pela visita

Espero seu retorno