terça-feira, maio 06, 2008

Rotina é crescimento

Rotina é a repetição do que se faz todos os dias, por tempo ilimitado. Cabe a nós torná-la mais viva, colorida, intensa! Isso, porque a malvada é apontada como vilã da nossa história de vida. Quando um relacionamento, por exemplo, esfria, foi culpa de quem? Da rotina.

Acontece que quando sentimos uma atração muito forte por alguém, o que mais se deseja é ficar colado. Aqui, peço licença ao poeta Belchior que diz bem a situação dos amantes: eu quero gozar no teu céu, pode ser no teu inferno. Palavras de ordem da paixão, sem você não vivo, esfriam. Porque tem aqueles dias que gente é demais perto da gente.


Há outros dias que é preciso estar consigo. Mergulhar no self, esquecer o espelho da imagem emprestada. Querer se conhecer e jogar toda a emoção para fora. E quem agüenta a enxurrada?


A culpa não é da rotina é do namoro rotineiro com pieguices. É do disfarce que apresentamos no momento da conquista. Quando o love deixa de ser o prêmio desejado, ele vira gente. Gente que dorme e ronca; que gosta de roer unhas, tem o hábito de não ouvir o que se diz; que bate porta; que encharca o banheiro, esquece a tampa da privada levantada; esquece a data do aniversário, e que nos ama da forma que a gente não sonha.

Postar um comentário

Obrigada pela visita

Espero seu retorno